domingo, 2 de setembro de 2018

Abertura do mês da Bíblia com padre Valter de M. Moura

Jutay Rebouças     04:14     1 comment




SETEMBRO MÊS DA BÍBLIA 2018
Estudo do Livro da Sabedoria

Neste ano somos chamados a cultivar a Sabedoria. Vamos estudar os seis primeiros capítulos do livro da Sabedoria com o TEMA: “Para que n’Ele nossos povos tenham vida” e o LEMA: “A sabedoria é um espírito amigo do ser humano” (Sb 1,6).
Segundo o texto sagrado, é ela que define o homem justo, o que confia em Deus e sabe conduzir de forma boa e com prudência a própria vida. 
A Sabedoria não é um conjunto de ideias ou mero conhecimento a respeito de algo. A Sabedoria é uma Pessoa, é Cristo.
Quem se encontra com Cristo e se deixa orientar por Ele e por sua Palavra é sábio. Quem age ao contrário é um tolo, perverso e imprudente.
“A luz da Sabedoria brilha forte e não se apagará; aqueles que a amam a veem facilmente, e quem a procura acha” (Sb 6,12-13).
Que a Sabedoria ilumine o espírito de cada um de vocês e o(a) motive a buscá-la com fervor.
* 2018: A Sabedoria em defesa da vida – livro da Sabedoria
Assim sendo, em 2018, o tema específico é: “Para que n’Ele nossos povos tenham vida – Livro da Sabedoria”; e o lema é: “A Sabedoria é um espírito amigo do ser humano” (Sb 1,6). Ou seja, a Sabedoria é uma expressão da amizade de Deus por nós, seres humanos. O livro da Bíblia que vai nos ajudar no aprofundamento deste tema é o livro da Sabedoria.
O livro da Sabedoria, está entre os textos escritos já no final do período do Antigo Testamento, num momento fundamental do diálogo entre o judaísmo e a cultura grega. Neste sentido, ele é um bom predecessor do NT. Por isso, a sua língua é o grego e pertence aos chamados livros Deuterocanônicos, por se encontrar apenas na Bíblia grega e, consequentemente, não entrar nem no Cânon judaico (da Bíblia hebraica) nem, mais tarde, no Cânon das igrejas protestantes.
Atribuído a Salomão em algumas versões e manuscritos antigos, o livro da Sabedoria é certamente da responsabilidade de um autor anônimo bem distante de Salomão no tempo, que não poderá situar-se para além do ano 50 a.C. (entre 150 e 50 a.C.). Isso manifesta-se nos indícios de caráter literário e histórico. A atribuição do livro a Salomão, nos cap 6-9, e só implicitamente, deve-se ao facto de a tradição bíblico-judaica situar este rei na origem do gênero literário sapiencial, o que faz dele o Sábio por excelência (7,1-21; 8,14-16; 9; ver 1 Rs 3,5-9; 5,9-14; 10,23-61). Provavelmente, o autor foi um judeu de Alexandria, no Egito – onde residia uma forte comunidade judaica – que utilizou o pseudônimo. Como fruto dessa comunidade, o livro está marcado culturalmente por uma forte influência helenista.
O autor conhece, por um lado, a História do seu povo e a fé num Deus sempre presente e pronto a intervir nela; e por outro, sente a forte atração que as principais filosofias helenísticas e as diversas religiões exercem na vida dos seus irmãos de raça e de fé. Por isso, tenta estabelecer o diálogo entre fé e cultura grega (6-8), de modo a sublinhar que a sabedoria que brota da fé e conduz a vida dos israelitas é superior à que inspira o modo de viver dos habitantes de Alexandria. Com este livro, o autor dirige-se, pois, a dois destinatários diferentes: aos judeus de Alexandria, direta ou indiretamente perseguidos pelo paganismo do ambiente; e aos próprios pagãos, sobretudo aos intelectuais helenistas, mais abertos à cultura hebraica, intentando, porventura, convertê-los ao Deus verdadeiro.
ESTRUTURA E CONTEÚDO
Esta proposta de vida, assente na revelação de Deus, manifestada na História e no mundo criado, é desenvolvida em três partes:
I. A Sabedoria e o destino do homem (1,1-5,23): descreve-se a sorte diversa dos justos e dos ímpios, à luz da fé; sendo a justiça imortal (1,16), Deus reserva a imortalidade aos justos.
II. Elogio da Sabedoria (6,1-9,18): origem, natureza, propriedades e dons que acompanham a sabedoria (7,22-8,1), como personificação de Deus (ver Pr 8; Sir 24); elogio da sabedoria, elevando-a acima dos valores mais apre¬ciados neste mundo.
III. A Sabedoria na História de Israel (10,1-19,22): descreve-se a presença e a atividade da sabedoria em toda a História do povo de Israel com especial incidência sobre o Êxodo (11,1-19,17), em forma de midrache e de contrastes, que caracterizam o estilo desta terceira parte (11,4-15,19; 16,1-4.5-14.15-29; 17,1-18,4; 18,5-25; 19,1-21). Mas o autor também manifesta conhecimentos profundos de outros livros: Gênesis, Provérbios, Ben Sira e Isaías. Merece um relevo especial a brilhante polêmica contra a idolatria
http://universovozes.com.br/editoravozes/web/view/BlogDaCatequese/index.php/estudo-do-livro-da-sabedoria-para-o-mes-da-biblia/
OBS.: * 2019: O Amor em defesa da vida – 1ª carta de São João

1
replies

Nossa Página

.

Seguidores

Total de visualizações

Blog Archive

Include demo

Master page

Master page blah blah lorem ipsum

About

.

Blogroll

Deus abençoe!

Deus abençoe!

BTemplates.com

© 2015 Diocese de Amargosa - Bahia - Brasil. Deus é Fiel! .Todos os direitos reservados. Designer by @Showja.